Papel e caneta X aparelhos eletrônicos. O que é mais prático e funcional para viver na maciota?

Papel e caneta
Papel e caneta: prático e barato.

Os aparelhos eletrônicos não são tão práticos e eficientes como o papel e a caneta. O papel está sempre ao alcance da mão, não precisa de bateria, não é alvo de assaltantes, não estraga se cair no chão, nem explode se você esquecer trancado dentro do carro, além de possuir custo baixo.

O papel também não “trava”, não precisa de “atualização”, nem “wireless”, nem “cabos” e nem desconcentra o usuário avisando de “novos e-mails” ou “novas ligações para atender”, “novos podcasts”, “novos feeds, “novos recados” no Twitter, Orkut, Facebook, MSN…” e outras tantas coisas que nos tiram à atenção e que atrapalham o pensar.

O papel é sereno, calmo e paciente. Ele espera você se concentrar, buscar inspiração e escrever o que precisa. O papel é zen. Ele não nos estressa como as mil e uma funções que as novidades eletrônicas freneticamente oferecem como se o mundo fosse acabar se elas não existissem.

Iphone após explosão
Iphone após explosão: além de caras, as soluções tecnológicas nunca são totalmente seguras. Até a melhor das baterias pode explodir.

Além disso, o papel é flexível. Dentro de uma agenda de papel você pode colocar facilmente contas a pagar, cartões de visita, um CD e até colar um xerox se for preciso. Não dá para fazer isso no Smartphone, nem no tablet. Você terá que escanear ou fotografar o documento. E claro: eles não terão o mesmo valor probatório que o original em papel.

Algumas pessoas se dão bem com toda essa tecnologia e até conseguem ser produtivas e desestressadas, mas isso é exceção. A maioria fica sujeita a perderem o foco por causa do excesso de novidades que os aparelhos eletrônicos oferecem. Sem contar, o desperdício de dinheiro com tecnologia, além do risco de desenvolver hiperatividade – transtorno do déficit de atenção. Em todo caso, só o usuário saberá qual tipo de recurso atende melhor às necessidades dele. No meu caso, o papel aposentou quase toda parafernália eletrônica e me economizou um dinheirão.

Bateria que explodiu dentro do carro
Painel de um automóvel após a explosão de um celular esquecido dentro do carro. A ação do calor do sol superaqueceu a bateria que explodiu.

Usar um caderno para fazer uma lista de tarefas traz infinitas vantagens frente a um computador, um palm, um Smartphone ou outro equipamento eletrônico. Para usar um caderno é necessário apenas um lápis, lapiseira ou caneta. Enfim: é muito acessível. Caso você esqueça-os em casa, você pode arrumar o lápis ou a caneta em qualquer lugar de graça ou pela bagatela de alguns centavos. A lapiseira e o lápis têm a vantagem de permitir desmanchar a tarefa executada e reaproveitar a folha da lista. A caneta não oferece essa vantagem.

Além disso, o caderno nunca acaba a bateria, nunca é alvo de assaltantes e raramente estraga irremediavelmente se cair no chão ou tomar alguns pingos de chuva. O caderno não exige “conexão com a internet” para funcionar. Sem contar a usabilidade! O caderno está sempre disponível para uso e é muito fácil portá-lo de um lugar para outro. Sem contar o custo que é mais barato que um similar eletrônico. Para quem mora no Rio de Janeiro ou em São Paulo, só o fato do caderno não ser o foco preferido dos assaltantes já é uma tremenda vantagem! Ademais, as listas de tarefas eletrônicas costumam induzir que se use a agenda como lista de tarefas. Erro sobre o qual já comentamos ao explicar o que é uma agenda e para que ela serve.

Notebook após explosão
Notebook após explosão: este estourou encima da mesa. Ainda bem. Imagine se ele tivesse estourado em cima das pernas do proprietário enquanto ele estivesse no banheiro ou na cama?

Usar um computador, um tablet, um Smartphone ou similar para gerenciar as listas de tarefas não é recomendável porque isso por si só já limita os contextos que se pode ter a lista disponível. Quando estiver andando na rua, você vai querer saber o que pode resolver imediatamente. Se você precisar abrir um notebook ou consultar um Smartphone para fazer isso, além de ser cansativo, terá aumentado o risco de sofrer um assalto.

Sem contar que justamente naquele momento crucial o aparelho poderá arriar a bateria ou travar, o que vai te demandar mais tempo só para entender “qual é o problema”.

Com um caderno você não sofre esses males. Basta abrir e pronto. Lá está a informação. Rápido, eficiente, seguro e barato. E mais: se você estiver isolado em algum lugar por causa de uma tempestade com falta de luz, ainda poderá usar o caderno e aproveitar o tempo para fazer o que o contexto permite. Consultar um equipamento eletrônico nessa situação é indesejável, a não ser, claro, que queira que um raio caia em sua cabeça. Se você estiver dentro de um avião, não levará bronca por usar um caderno, nem colocará a vida dos outros passageiros em risco.

O caderno se adapta facilmente em todos os ambientes. Ele não precisa de tomada, de recarregador, de maleta especial, de case especial, nada. Tanto faz se você está na fila do banco, na fila de ônibus, dentro do ônibus, no banheiro, na sala de aula ou em qualquer outro lugar. Basta abrir o caderno e usar.

Além disso, para estudantes e concurseiros, usar um caderno inteligente é mais prático e barato. Além de produzir mais resultados do que se a mesma coisa fosse feita num tablet, notebook ou smartphone.

Viciado em tecnologia
Cuidado! O uso excessivo de novidades eletrônicas pode deixar você viciado. Se você consulta seu e-mail pessoal várias vezes ao dia ou se sente incomodado por ficar sem acesso à internet durante algumas horas, abra o olho! Você pode estar viciado em tecnologia. Procure apoio psicológico antes que o problema se torne sério demais. O vício em tecnologia faz mal à mente, ao bolso e à produtividade.

O caderno não tem problemas de “compatibilidade de versão”, não precisa que seja editada alguma “configuração especial” para funcionar, nem de atualizações frequentes, nem do mais novo e revolucionário aplicativo para fazer o gerenciamento básico. Basta apenas abrir o caderno e usar.

O papel é simples, barato e infinitamente mais flexível que os equipamentos eletrônicos que tentam substituí-lo. Por isso, enquanto não for inventado algo mais prático e barato, ele continuará no TOP 10 dos melhores e mais eficientes instrumentos de produtividade do planeta.

Artigos Relacionados