Ranking da corrupção Global 2012: os 10 países mais honestos e os 10 países mais corruptos do planeta

Saiu o relatório da corrupção global em 2012 elaborado pela organização Transparência Internacional. Nele podemos ver quais foram os 10 países mais honestos e os 10 países mais corruptos no ano de 2012.

Ranking da Corrupção Global 2012 - Transparência Internacional - Clique aqui para ver o relatório completo (em inglês)
Ranking da Corrupção Global 2012 – Transparência Internacional – Clique aqui para ver o relatório completo (em inglês)

Veja o relatório completo aqui em PDF: Relatório da Corrupção Global 2012 – Transparência Internacional – Clique aqui para ver o relatório completo (em inglês)

Continue lendo “Ranking da corrupção Global 2012: os 10 países mais honestos e os 10 países mais corruptos do planeta”

Porque não poupar civis na guerra.

O que é uma guerra?

Guerra é ato brutal.
Só o fato de se travar uma guerra já é a prova cabal de que não há solução jurídica para o caso. Se o Direito tivesse funcionado, o conflito teria se resolvido pela via diplomática (acordo, sanções e etc.). A guerra só existe quando falha o Direito.

Guerra é um ato extremo no qual um povo combate outro para fazer valer a sua vontade. Apesar de haver acordos internacionais sobre o assunto, a guerra não é ato jurídico. Pelo contrário, ela é ato antijurídico e brutal no qual, durante sua duração, há suspensão das garantias constitucionais e legais a fim de se se alcançar o objetivo: vencer o inimigo por qualquer meio.

Diferentemente de uma persecução penal, na guerra não há direito ao “contraditório”, à “boa fé objetiva”, à “ampla defesa”. Pelo contrário, busca-se a vitória sempre, nem que para isso tenha que se usar de expedientes antiéticos. Na guerra, o vencedor sempre tem razão e o vencido deve se submeter ou morrer.

Entretanto, há os que pensam diferente. Eles consideram a guerra um ato jurídico que deve ser realizado conforme as regras do Direito Constitucional, especialmente os tratados internacionais. Caso o país descumpra as normas, deve ser punido por “crime de guerra”. Pura hipocrisia, pois não há guerra justa. A guerra, em si, já é a prova de que o Direito falhou naquele caso. Ela é ato brutal e extremo. Continue lendo “Porque não poupar civis na guerra.”

Índice de Desenvolvimento Humano – IDH 2011

Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 2011O IDH, Índice de Desenvolvimento Humano, é um indicador social composto por três fatores: a) expectativa de vida e saúde; b) Educação e c) Riqueza (medido pelo PIB per capita em dólares).

Ele é medido pelo PNUD: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento através de uma metodologia de cálculo precisa.

Apesar do Brasil ser a nação mais rica em recursos naturais do Planeta, ficou no vergonhoso 84º Lugar. Já Israel, apesar da escassez de água e dos constantes ataques de terroristas islâmicos, ficou em 17º Lugar! Continue lendo “Índice de Desenvolvimento Humano – IDH 2011”

Ranking da corrupção Global 2011: os 10 países mais honestos e os 10 países mais corruptos do planeta

Saiu o relatório da corrupção global em 2011 elaborado pela organização Transparência Internacional. Nele podemos ver quais foram os 10 países mais honestos e os 10 países mais corruptos no ano de 2011.

Relatório da Corrupção Global 2011Relatório da Corrupção Global 2011 – Transparência Internacional – Clique aqui para ver o relatório completo (em inglês)

O Brasil caiu da 69º para 73º! Ou seja: tornou-se ainda mais corrupto.

Continue lendo “Ranking da corrupção Global 2011: os 10 países mais honestos e os 10 países mais corruptos do planeta”

Poder Judiciário: o bode expiatório do Brasil.

CNJ: órgão criado para controlar o Poder Judiciário
CNJ: órgão criado para controlar o Poder Judiciário como se a culpa de tudo fosse dele. O Poder Judiciário é o mais injustamente criticado. Ninguém quer saber das causas das mazelas, querem apenas culpados. Tanto a mídia, quanto os políticos se aproveitam da ignorância popular para despejar no Judiciário a responsabilidade por todos os problemas quando a história é bem diferente

Não concordo com a opinião de que “magistrados protegem magistrados” e de que o Poder Judiciário é uma caixa preta marcada por lentidão e burocracia. Isso é fruto de ingenuidade e de uma má compreensão desse Poder no Brasil.

Os processos demoram? Sim. As corregedorias estaduais são lentas? Sim. Mas ninguém pergunta o porquê.

Primeiro: juízes não criam o Direito. Eles o aplicam conforme ele está nas normas. Se a norma torna o processo mais lento, o cidadão precisa entender que isso não se deve só ao Juiz, mas principalmente a quem faz a Lei que o Juiz é obrigado a seguir. No caso, o Congresso Nacional e o Presidente da República. Portanto, o cidadão deve cobrar deles que façam uma lei melhor. Além disso, lembro: se o Juiz tentar ser “alternativo” e não aplicar a lei, os atos praticados serão eivados de nulidade… Ou seja: ou o Juiz aplica a lei (mesmo que seja ruim) ou outro juiz aplicará a lei no lugar dele. Não há escolha. Continue lendo “Poder Judiciário: o bode expiatório do Brasil.”

Estado e governo: porque separar.

Separação de Estado e Governo
Para que a nação caminhe, o Estado e o governo precisam permanecer independentes. Quando estão misturados, prejudicam o país.

Introdução

No Brasil, Estado e Governo se misturam por causa da república presidencialista e quase ninguém percebe a diferença entre ambos e, o pior: há uma tendência de confundir os dois.

O Governo é transitório, ele representa interesses de partidos políticos, enfim: grupos de pessoas que querem levar alguma vantagem no poder. Geralmente os objetivos verdadeiros dos governantes quase nunca coincidem com os da nação.

O Estado é perene. Ele representa o próprio povo, a nacionalidade, a coletividade, os valores fundamentais da sociedade. Ele é a nossa bandeira, o nosso hino nacional, o nosso território, a nossa cultura, a garantia de que somos e seremos Brasil. Enfim: o Estado é a nossa identidade coletiva que nos distingue no cenário internacional. O Estado é a nossa pátria. Continue lendo “Estado e governo: porque separar.”

Empresários e Trabalhadores: escravos do governo.

Escravidão
Escravo é todo aquele que não usufrui dos frutos de seu próprio trabalho e não tem liberdade para mudar a sua condição. O Brasileiro paga quase 100% do seu salário em impostos e não pode mudar seu sistema político pelo voto. Conceitualmente ele é um escravo, apesar de se considerar livre.

Você sabia que os impostos incidentes sobre o salário de um trabalhador com carteira assinada são de 77,91%? Repito: 77,91%! Quase 80%! O Valor bruto que aparece no contracheque do escravo, digo, do trabalhador, já é o valor com o desconto dos 77,91% dos encargos sociais, ou seja: apenas 22,09% sobram para o trabalhador. E tudo isso já é retido na fonte sem nenhuma chance do trabalhador sonegar. Por isso, muitas empresas resistem em assinar a carteira do empregado, pois para tal, é preciso pagar os 77,91% de impostos! Continue lendo “Empresários e Trabalhadores: escravos do governo.”

Operação Hurricane: José Eduardo Carreira Alvim

Livro Operação Hurricane - Carreira Alvim
Operação Hurricane. Carreira Alvim

Certa manhã, José Eduardo Carreira Alvim, vice-presidente do tribunal regional federal da 2ª região e renomado jurista, acordou convertido em perigoso marginal sem mais nem menos. Ele foi humilhado e preso sob a mira de metralhadoras numa cela comum da polícia federal com tudo filmado pela Rede Globo. Nada lhe valeram as garantias Constitucionais da Magistratura e os Princípios Constitucionais do Contraditório e do Devido Processo Legal.Este livro mostra escancaradamente os bastidores da justiça republicana brasileira. Carreira Alvim conta as razões de ter sido preso por crimes que nunca praticou. Ele indaga por que seus direitos de magistrado não foram respeitados e denuncia ter sido vítima de uma conspiração odiosa, tramada por altas autoridades da justiça e da polícia.Carreira Alvim está afastado da magistratura e aguarda há quatro anos o Supremo Tribunal Federal julgar seu caso, mas seu processo está parado por causa de forças ocultas.

Se você ainda acredita na república brasileira, leia este livro. Ele é a prova de que a república faliu. Nem mesmo o Vice Presidente de uma das mais altas cortes de justiça do país está livre de ser acusado, julgado e humilhado sem provas quando as altas autoridades da república assim o desejam. Todos os cidadãos correm perigo.

Sim, a república é um inferno. Inferno para todos, para o pobre ou para um Vice Presidente de Tribunal. Ninguém escapa. Nunca foi tão atual a frase que está na porta do inferno de Dante: “Deixai toda a esperança, vós que entrais”. Esta é a república do Brasil.