Atirador que chacinou 11 crianças e feriu 18 no Rio era simpático ao Islã

Wellington Menezes de Oliveira

Wellington Menezes de Oliveira: o terrorista que chacinou 11 crianças em Realengo

Wellington Menezes de Oliveira, 24, um ex-aluno da escola municipal Tasso da Silveira, matou a sangue frio dez meninas e um menino, com idades entre 12 e 15 anos.

Todos foram mortos a tiros na manhã desta quinta-feira na escola localizada no bairro Realengo (zona oeste do Rio). O atirador efetuou mais de 100 disparos de arma de fogo contra os alunos da escola.

Por sorte, a polícia patrulhava o local na hora do incidente e abordou o atirador. Houve troca de tiros. Após ser ferido e com medo de ser pego, o atirador suicidou-se.

Infelizmente 18 ficaram feridos e 11 crianças morreram. Eis os nomes e idades das vítimas fatais:

  • Bianca Rocha Tavares, 13
  • Géssica Guedes Pereira, 15
  • Karine Lorraine Chagas de Oliveira, 14
  • Larissa dos Santos Atanázio, 13
  • Laryssa Silva Martins, 13
  • Luiza Paula da Silveira, 14
  • Mariana Rocha de Souza, 12
  • Milena dos Santos Nascimento, 14
  • Rafael Pereira da Silva, 14
  • Samira Pires Ribeiro, 13

Islamismo agora ameça Brasil: Atirador do Rio Wellington agiu sob influência do Islã, segundo a Irmã. Se as autoridades não criminalizarem o Islã radical, em breve haverá homens-bombas também no Brasil.

Fiquei a manhã tentando entender o porquê alguém sairia da cama para matar crianças inocentes, desestabilizar a vida dezenas de famílias, aterrorizar um bairro e, ainda, de quebra, sujar a imagem de um país no cenário internacional. Enfim: o que poderia ter levado Wellington a fazer uma loucura dessas? Nada fazia sentido, até ver a divulgação de uma entrevista bombástica dada pela irmã do assassino na Rádio Band News e divulgada pela coluna Cláudio Humberto.

Em entrevista à Rádio Band News, Rosilane Menezes, irmã do atirador de Realengo, disse: “Ele estava muito focado em coisas relacionadas ao islamismo e tinha deixado a barba crescer muito. Ele era estranho, ficava na internet o dia inteiro lendo temas relacionados [ao islamismo] e era muito estranho, muito reservado”, disse (grifo nosso. Fonte: www.claudiohumberto.com.br , Quinta-feira, 07 de Abril de 2011, Ano 13 – n° 4841)

O coronel Djalma Beltrame, comandante do 14º Batalhão do Rio de Janeiro, descobriu elementos islâmicos escritos na carta deixada pelo atirador. A notícia foi divulgada pelo Blog da Redação da Band.

Enfim: a causa do ato terrorista no Rio de Janeiro foi a doutrina do Islamismo. A mesma que ameaça Israel e todo mundo ocidental com ideias e práticas intolerantes.

Ao invés da Presidenta Dilma Rousseff chorar hipocritamente e pedir um minuto de silêncio, ela deveria denunciar os acordos que o Brasil fez com o Irã, principal financiador do terrorismo islâmico. E mais: a presidenta também deveria ordenar a investigação do porquê armas brasileiras foram parar na mão de terroristas islâmicos para atacar Israel. Até hoje esse fato sequer foi devidamente noticiado pela imprensa, muito menos, investigado.

Depois de saber que Wellington era simpático ao Islã, consegui compreender o porquê ele fez essa barbárie, enfim: o motivo da chacina. Era o vírus do Islã fazendo mais vítimas pelo mundo.

O Islamismo é a causa principal dos atos brutais que chocam o mundo. Basta lembrar do 11 de setembro.

Leia mais sobre o atentado de Realengo aqui. Nessa matéria Roberto Kedoshin disserta sobre a tentativa da imprensa brasileira de desassociar a tragédia com o Islamismo e aponta evidências.

 

Artigos Relacionados