A verdadeira Caridade não é socialista

CaridadeSer solidário é ajudar o outro com o próprio esforço. É botar o seu na reta. É trabalhar você mesmo pelo próximo e tirar dinheiro do próprio bolso quando quiser contribuir.

Ajudar as pessoas com o dinheiro alheio não é solidariedade. É canalhice! Os esquerdistas querem universalizar essa loucura. Muita gente bem intencionada acaba sendo enganada por esses picaretas, pois relaciona socialismo com caridade. Nada mais falso. Por isso é comum ver cristãos e judeus confundindo a bandeira da Tsedacá (caridade) com o socialismo o qual, aponte-se, é anti-judaico e anti-cristão por natureza.

Os socialistas querem alimentar e proteger o pobre com o dinheiro tomado a força dos outros (impostos). Igual o ladrão que assalta sua família por acreditar que a sua vale menos que a dele!

Eles são os mestres de “fazer caridade” com o dinheiro alheio e dizer que isso é “solidariedade”. Hipócritas! O princípio básico da caridade é ajudar o outro com o fruto do próprio esforço, seja por meio de doação de dinheiro ou prestando serviço voluntário. É princípio básico do judaísmo e do cristianismo que as pessoas devem viver às custas do próprio trabalho. Só podemos dar para o outro aquilo que é nosso por merecimento. Não podemos dar o que é do outro, pois isso é roubo!

Um dos mandamentos básicos da cultura judaico-cristã é o famoso NÃO ROUBARÁS, o que inclui a proibição de tomar o dinheiro alheio, não importa os fins. Podem ter certeza, o ladrão, ao roubar sua vítima, também está cheio de “boas intenções”. O problema do ladrão é o meio que ele escolheu para realizar suas “boas intenções”, o que as torna más intenções, pois o meio de realizá-las envolve a destruição do ser de outra pessoa e da extensão desse ser, seu patrimônio, conquistado às custas de suor, lágrimas e dias de vida, quando senão anos.

O que os socialistas propõem é que os mais abastados sejam ROUBADOS em prol dos pobres. Em princípio isso pode parecer “belo” e lembrar o filme de Robin Wood. Mas não é. Toda vez que o governo toma dinheiro de alguém com mais posses, isso significa que menos bens e serviços poderão ser comprados no mercado. Isso leva, necessariamente, a diminuição da atividade econômica e gera desemprego. Além do mais, isso também significa que haverá menos pessoas com dinheiro sobrando para investir em novos negócios. O que levará, necessariamente, a estagnação tecnológica (pois novos produtos não serão criados, nem novos serviços em função da inexistência de capital extra para ser investido). A consequência de tomar dinheiro das pessoas mais abastadas é sempre nefasta. Não importa se a pessoa roubada tem menos (R$3.000,00) ou mais patrimônio (R$ 3.000.000,00). Os efeitos são sempre o empobrecimento geral da população, pois sem o capital extra acumulado, não haverá quem tenha dinheiro sobrando para investi-lo. O assalto em massa dos ricos têm por consequências a redução dos empregos disponíveis, o encarecimento de todos os produtos (inflação) e a redução futura na arrecadação de impostos. Na dúvida, veja como são os preços em Cuba e na Venezuela onde um pacote de camisinha pode custar R$ 2.068,00.

Roubar os mais ricos é extremamente nocivo para a sociedade. Se não há ricos, quem irá investir em fazer roupas e vendê-las para você? Quem irá investir em plantações de morango ou na criação de vacas leiteiras? Ninguém. Necessariamente haverá escassez e os preços dispararão.

Muitos pensam que se não houver ricos, o Estado será plenamente capaz de atender às necessidades do povo. Mentira. O Estado não tem fonte de riqueza. Ele vive tomando parte da riqueza que é produzida pelas pessoas. Se não há ninguém produzindo, o Estado viverá de quê? No início ele pegará empréstimos com outros países e conseguirá mascarar a situação. Em longo prazo, os empréstimos se tornarão impagáveis e não haverá dinheiro nem para comprar alimentos básicos para a população. É exatamente isso que está acontecendo com a Gréciacom a França. Se os gastos públicos (a falsa caridade) não for freada nesses países, a Europa quebrará. E isso não é culpa do “capitalismo global”, é culpa dos esquerdistas e sua mania de querer fazer “caridade” com o dinheiro”alheio”. A falta de capitalismo é o grande culpado pela quebradeira da Grécia, da Venezuela e de Cuba. Não existe almoço grátis. Alguém, em algum momento, terá que pagar a conta da “caridade”. O esquerdista adora dar “presentes” e mandar a conta para você pagar daqui alguns anos.

Quer ajudar os outros? Quer realmente ser bom com o próximo? Tire dinheiro do próprio bolso ou, se não tiver, preste serviço voluntário! Isto é a verdadeira caridade! Chuck Feeney fez mais pelos pobres do que qualquer comunista “bem intencionado”.

Quem quer ajudar o mundo com o dinheiro alheio, além de canalha, mostra que é um indivíduo que ainda não cresceu. Enfim: alguém que continua um adolescente moral: quer ser livre, mas para isso, quer que o papai banque a sua vida boa sem nenhuma responsabilidade consigo ou com o próximo. E são essas pessoas que compõe a maior parte do rebanho socialista.

Podem observar: eles querem salvar todos os pobres, mas papai tem que pagar a conta. Querem recolher todos os animais abandonados do mundo, mas papai tem que cuidar e alimentar. Querem curtir a vida e viajar o mundo com o cartão de crédito do papai. Querem dar vida boa para todos mas às custas do trabalho do papai. E foda-se se papai não dá conta de atender todos os caprichos. Não importa. É obrigação de papai… São infantis e irresponsáveis. Essa é a verdade!

Só que ao invés do “papai”, agora querem obrigar todos, você e seus vizinhos, a pagarem pelos caprichos deles, sob a desculpa de que a finalidade é “ajudar os pobres”. E esses canalhas já propõem que o “justo” é “tomar mais dinheiro” dos ricos para dar aos pobres, enfim: roubar e roubar cada vez mais!

Desmascare um esquerdista! Quando ele vier com esse papo de “ajudar os pobres” com o dinheiro dos outros (impostos), acuse-o de ladrão porque isso que ele é! Acuse-o de querer falir o país porque é isso que ele propõe fazer! E se ele vier com mimimi, desafie-o a fazer a verdadeira caridade: prestar serviço voluntário ou tirar dinheiro do próprio bolso para ajudar! Que eles façam a vaquinha entre eles e paguem a conta!

Ainda quer acabar com a fome? Are um campo ou monte uma fazenda de aquaponia. Tá demais para você? Então doe alimentos com seu dinheiro ou doe o seu trabalho para quem precisa. Não se acaba com fome quebrando as pernas do agricultor. Nem se veste os nus cortando os braços das costureiras. Não se gera riqueza roubando o dinheiro do próximo!

Artigos Relacionados