3º Programa Nacional de Direitos Humanos do governo federal ofende a liberdade religiosa

Direitos humanos

Direitos humanos para quem?

O 3º Programa Nacional de Direitos Humanos do Governo Federal, dentre os vários equívocos, também proíbe a ostentação de símbolos religiosos em locais públicos, erro mais grave de todos. A medida está no “Objetivo estratégico VI”, alínea c, página 100 do relatório.

Sou servidor da Justiça Federal. Onde trabalhamos havia um crucifixo na sala de audiência. O símbolo era importante para indicar que a Divindade deve estar acima dos anseios humanos e que ninguém deve ser julgado injustamente, assim como Jesus teria sido segundo os cristãos.

É um símbolo pertinente e adequado a finalidade do lugar. Assim como a estátua da deusa Thêmis, muito comum nos fóruns de justiça. Ela símbolo da Justiça e de seus objetivos. Sua presença nos lugares públicos nunca ofendeu ninguém. E nunca foi objeto de polêmica. A luta do governo para tirar os crucifixos dos órgãos públicos nada mais é que sua luta contra o ideal judaico-cristão que não é a favor do socialismo e das ideias totalitárias defendidas pelos esquerdistas. E usam o argumento do “estado laico” como desculpa para justificar perseguição ideológica contra cristãos e judeus.

Liberdade Religiosa

Liberdade Religiosa: Estado laico não é Estado ateu. Estado laico é um Estado imparcial regido por Leis e pautado pela tolerância com a diversidade religiosa e irreligiosa. Tal tolerância não é só um direito, mas um dever de todos.

A partir do momento que ostentar símbolos religiosos tornar-se proibido, será um perigo para todas as religiões. Não só a Católica, a principal prejudicada no Brasil.

Em nome da “tolerância religiosa”, o governo se tornou intolerante contra todas as religiões, menos uma: o ateísmo. Sob a desculpa de defender o Estado Laico, o governo escolheu a fé ateísta e quer forçar sua imposição a todos.

Dessa forma, não tardará o dia que todas as festas religiosas populares serão proibidas em nome de uma falsa “promoção” da tolerância e do Estado laico… Será um mal terrível para todas as religiões e sem voltas que alimentará o ateísmo, a violência e a prostituição dos costumes.

O Brasil é um estado laico, enfim: sem religião dominante. Mas o que eles querem é nos empurrar pela goela abaixo um estado ateu. E isso, nenhum religioso coerente pode concordar porque agride a própria essência da liberdade religiosa. Do mesmo modo que é um absurdo um Estado que obriga a prática de uma religião em público, também é absurdo um Estado que exige o ateísmo em público.

Não sou contra os que decidiram ser ateus. É uma opção e questão de gosto. Cada um deve ser livre para acreditar que há uma Divindade que o torna diferente de um amontoado de átomos ou que não existe essa Divindade e que, portanto, somos apenas um reles amontoado de átomos sem sentido. Cada um deve ter o livre direito de escolher ter fé em uma Divindade ou ser ateu. Entretanto, exijo dos ateus, assim como eles exigem de todos, a tolerância. Do mesmo modo que sou obrigado a conviver com símbolos de outras religiões como forma de exercitar a tolerância; por que os ateus não podem conviver com os símbolos religiosos? Só dos ateus que não é exigido a tolerância? É isso?

Armamento brasileiro apreendido por Israel no navio Francop, 04/11/2009.

Armamento brasileiro apreendido por Israel no navio Francop em 04/11/2009. São dezenas de pilhas de armamentos brasileiros enviados pelo governo Terrorista do Irã à Síria e ao grupo terrorista Hezbolá. Como as armas brasileiras chegaram na mão dos Iranianos? Governo e Forças armadas não explicam o incidente. A mídia televisiva do Brasil nada falou a respeito.

Esse é o princípio que rege a medida estúpida de retirar símbolos religiosos dos locais públicos. É uma demonstração de como os pseudo intelectuais usam dois pesos e duas medidas conforme eles querem. Na verdade, é a raiva e o ódio velado contra a Divindade e as religiões que motivam essas atitudes. É o camuflado desejo de negar a Divindade e de promover um comunismo ateu e retrógrado alinhado ideologicamente às políticas anti-democráticas de Venezuela e Cuba. O presidente do Brasil já demonstrou várias vezes simpatizar com tais ideologias totalitárias a ponto de apoiar estados terroristas como a Coreia do Norte e o Irã. Não é exagero. Em 04/11/2009, a Marinha de Israel apreendeu o navio Francop. Ele continha centenas de toneladas de armamentos enviados pelo Irã à Síria e ao Hezbolá para alimentar o terrorismo no Oriente Médio e, especialmente, em Israel. O fato não teria nenhuma novidade se as caixas contendo os armamentos não estivessem escritas em Português do Brasil com siglas conhecidas de empresas brasileiras!!! Nem o governo brasileiro, nem as forças armadas brasileiras explicaram o caso. Aliás, houve silêncio total na mídia televisiva brasileira sobre o assunto. (Fonte: Jornal Visão Judaica. Nº 86. Dezembro/2009, p. 10. Quem quiser ver os vídeos feitos pela TV israelense, veja os vídeos ao final do artigo. Que direitos humanos é esse que a república do Brasil defende? É isso que eles entendem por democracia?

Armamento brasileiro apreendido por Israel no navio Francop, 04/11/2009.

Armamento brasileiro apreendido por Israel no navio Francop, 04/11/2009. Detalhamento. Observe que as caixas estão escritas em Português do Brasil com siglas de empresas brasileiras.

Ora. Todos, inclusive ateus, devem tolerar as manifestações religiosas e irreligiosas. Esse é o princípio de um Estado Democrático e laico. Quer dizer que “parada gay” no espaço público poderia, mas uma procissão a Nossa Senhora não poderia porque ofenderia outros religiosos e ateus? Ora!! Sejamos justos! Por que só proteger o ateu? Os católicos, judeus e outros religiosos não merecem ser protegidos também? Claro que sim. Não fazer isso é absurdo!! Do mesmo modo que é errado o Estado empurrar uma religião oficial pela goela de seus cidadãos, é igualmente errado exigir-se o ateísmo como “religião de estado”. Estado laico não é estado ateu. Estado laico é um estado imparcial regido por Leis e pautado pela tolerância com a diversidade religiosa e irreligiosa. Tal tolerância não é só um direito, mas um dever de todos. A tolerância no estado laico não deve ser só dos religiosos para com os ateus conforme deseja essa pretensa reforma de “Direitos Humanos”, mas deve ser de todos, inclusive dos ateus para com os religiosos. Isso inclui tolerar as manifestações religiosas em repartições públicas e em todos os espaços públicos. Impedir isso é proclamar a intolerância!

Que lutemos todos, Cristãos, Judeus e outros religiosos pelo direito de ostentar nossos símbolos religiosos e pelo direito de podermos conviver com outras culturas sem anulá-las ou impedi-las de mostrar suas belezas. Pois está escrito: que “cada povo ande, cada um, em nome do seu Deus” (Miqueias 4:5).

Pela defesa do Estado Laico!

Vídeos da interceptação do navio Francop:

 

Artigos Relacionados