Desastre em Mariana, MG. Uma análise politicamente incorreta

bento rodrigues tragedia mariana
Bento Rodrigues. Distrito de Mariana, MG, após tragédia.

O desastre foi causado por um TERREMOTO que resultou no rompimento da barragem. Não tem nada a ver com “ganância”, até porque a represa estava dentro das especificações exigidas pela Lei. Isso apenas mostra como o governo usa uma tragédia natural para justificar mais concentração de poder na mão de políticos: mais regulamentação, mais restrições estatais, mais licenças, mais burocracia. Tudo para dificultar a vida das pessoas trabalhadoras e aumentar a pobreza de quem o governo diz “proteger”.

Culpar quem trabalha e empreende é a saída mais fácil usada pelos mentirosos e estatistas de todos os tempos. Todo negócio há riscos e ele faz parte da vida em sociedade. É o que chamamos de risco aceitável. Quando pegamos um ônibus, há risco de ele capotar. Quando compramos uma comida, há risco de ela estar estragada e nos fazer mal, quando atravessamos uma ponte, há risco de ela desabar. Quando compramos um isqueiro, há risco de ele incendiar a casa. Até uma sacolinha de supermercado pode sufocar e matar alguém e não são raros os casos de gente que morre em acidentes no chuveiro! Na vida tudo que fazemos traz um risco aceitável implícito, até na prática do sexo e nem por isso as pessoas deixam de namorar.

No caso da tragédia em Bento Rodrigues, as pessoas não esperavam que um terremoto fosse danificar as estruturas de uma barragem de rejeitos. Afinal, quem esperaria um terremoto no Brasil? País do carnaval, do futebol onde todos aprendem nas escolas que tais coisas “nunca acontecem”? Claro, vai ter gente dizendo que o terremoto não causou aquilo. Foi o quê então? O bicho papão? Uma conspiração da CIA? O neoliberalismo? Tenha paciência! Fato é que ali ocorreu um terremoto e minutos depois a barragem estourou. Até para quem é leigo na área é muita coincidência para não se levar isso em consideração. Todo mundo que trabalha com engenharia civil sabe: o que quebra uma viga de concreto não é a última martelada, é o conjunto das marteladas. E pelo visto, aquela região já era foco de “pequenos” terremotos há vários anos e o governo “ignorou”!

Sejamos sensatos. Vamos sim lamentar as vítimas. Vamos ajudá-las com caridade privada. Vamos dar o nosso apoio. Mas culpar quem trabalha e empreende por um fato natural incontrolável não irá resolver o sofrimento delas, apenas resultará em mais desculpas para concentrar poder na mão de políticos: fato com potencial de matar muito mais pessoas do que um terremoto seguido de rompimento de barragem.

E mais: as “vítimas” não eram tão “inocentes” assim. Construir suas casas à beira de um córrego já é imprudente por natureza por causa das chuvas sazonais e das enchentes frequentes que assolam aquela mesma região (observem bem por onde o lamaçal passou). E construir casas à beira de um córrego no qual há uma barragem de rejeitos gigantesca acima, é mais imprudência ainda! No mínimo, ingenuidade.

Bento Rodrigues1
Bento Rodrigues, Mariana, MG. Cursos de água marcados em azul.

Bento Rodrigues2
Bento Rodrigues, Mariana, MG.

Em que pese a tragédia, a verdade politicamente incorreta é que o povo de lá confiou demais nas mentiras dos políticos de que tais coisas só aconteciam em outros países e nunca no Brasil. Pois é, aconteceu no Brasil (de novo). O governo já tinha conhecimento dos “pequenos” terremotos que chacoalhavam aquela região, mas ignorou o fato para continuar ensinando nas escolas de que eles “nunca aconteciam no Brasil” e de que “estava tudo bem” e “seguro”. Mentir é a especialidade dos políticos.

E agora que o bicho pegou, todo mundo se apressa em culpar a iniciativa privada por uma cagada que poderia ter sido evitada se os políticos não mentissem e não usassem as escolas para doutrinar. Mas na cabeça pequena do povo que os elege, a culpa da tragédia é exclusiva da mineradora, o bode expiatório da vez.

Pois é Samarco, quem mandou abrir seu negócio no Brasil? Prepare-se para a “enxurrada” de pedidos de indenizações e para as sentenças judiciais que ignorarão a Lei para culpar seu empreendimento por ser “capitalista malvado”. A inveja do sucesso alheio e o estatismo pesam bastante na caneta “imparcial” dos Juízes brasileiros. Lei? Que nada! O que vale aqui é a “justiça social”, o passe-livre para que os Juízes ignorem o art. 393 do Código Civil e usem o “princípio da dignidade humana” para responsabilizarem quem quiserem. Bem-vindo ao país da katchanga!

Fontes:

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2015-11-06/um-tremor-de-terra-pode-ter-destruido-as-barragens-em-mariana.html

A prova de redação do ENEM 2015 foi um deboche com as pessoas estudiosas.

gelo pegando fogo
Para a prova do ENEM 2015, mulher não é mulher, mas é mulher. Assim como gelo de água é gelo e pega fogo. Compreendeu?

60000 assassinatos por ano. 91% são homens[1]. E aí a redação do ENEM é sobre “violência contra a mulher”… Sério? Homens apanham de mulher o tempo todo, mas não se pode falar nada porque é feio falar a verdade politicamente incorreta: que mulheres são mais violentas com os homens e que homens sofrem mais violência, fato já cientificamente comprovado [2].

Um tema realmente tema seria “violência doméstica” no qual várias perspectivas sobre o assunto poderiam ser trabalhadas, mas escolheram o tema “violência contra a mulher” já dando a entender que mulheres são vítimas e que os homens batem em mulheres… e você nem pode falar nada contra, pois os avaliadores disseram que não aceitarão “posicionamento contrário” ao tema da redação[3]. Ou seja: declararam que a prova é ideológica e que censurarão e punirão quem discordar do tema. Portanto, quem fundamentou sua prova nos fatos, ficará de fora da universidade. Continue lendo “A prova de redação do ENEM 2015 foi um deboche com as pessoas estudiosas.”

A alegria dos escravos

HComissao Camara dos deputadosoje muita gente “de direita” ficou feliz porque a comissão da Câmara dos Deputados aprovou a definição de família como a união entre homem e mulher. Apesar de essa ser incontestavelmente a família natural, enfim, aquela formada pela natureza, nós não somos simples animais no meio da floresta. Somos humanos livres e vamos muito além do que a natureza estabeleceu para nós.

Veja bem, não entro na questão de se é moral ou imoral pessoas do mesmo sexo se relacionarem, criarem filhos e etc (movimento LGBT). Menos ainda se uma pessoa pode ou não se unir com várias outras (poligamia). Tudo isso é secundário e não têm nenhuma importância substancial. Continue lendo “A alegria dos escravos”

A barbárie travestida de “justiça social”

Barbárie travestida de justiça social

Eu pergunto: qual a razão de se reservar vaga para “deficiente” se, para dirigir o carro, o sujeito não é deficiente?

Não é racional tal exigência. Na verdade ela cria uma distinção irrazoável em favor de uma pessoa sem nenhuma função de justiça. Trata-se de medida discriminatória e desrespeitosa com outras pessoas que também pagam seus impostos e, igualmente, precisam utilizar as vias públicas como qualquer outra pessoa, inclusive as deficientes.

Situação totalmente diferente seria se o estacionamento nesta área fosse proibido para TODOS, inclusive deficientes, para não impedir o acesso de cadeirantes à rampa própria no local, ou de cegos às calçadas e passagens adaptadas para facilitar o trânsito deles. Mas esse não é o caso. Continue lendo “A barbárie travestida de “justiça social””

A (in)justiça atual ou vai para o inferno esquerdista de merda

Estupro na mataTrês adolescentes praticaram crimes contra 4 meninas:estupro qualificado, homicídio com cinco qualificadores, tentativa de homicídio e associação criminosa, fora a agressão física.

Pena: 3 anos em COLÔNIA DE FÉRIAS! Repito: Colônia de Férias! Puta que pariu!!

Isso é ou não é um incentivo ao crime? Claro que é!

E sabe porque isso aconteceu? Por causa dos ESQUERDISTAS HIPÓCRITAS que acham feio reduzir a maioridade penal para proteger os “di menor”. E as meninas agredidas, como ficam? Para elas não tem colônia de férias, nem vida boa… para elas é só o trauma do estupro, o terror da lembrança que nunca se apagará. E, para uma delas só restou 7 palmos de terra em cima do peito, seu futuro foi apagado por bandidos de merda. 3 Jovens traumatizadas, uma morta e quatro famílias furiosas e abaladas pela ausência de justiça. Continue lendo “A (in)justiça atual ou vai para o inferno esquerdista de merda”

A ditadura militar de 1964 foi de direita? Conta outra esquerdoso!

A contra-revolução de 1964.
O povo brasileiro foi às ruas e pediu a intervenção do exército, o que levou à Contra Revolução de 1964.

Dizem que a contrarrevolução de 1964 foi um movimento da “direita” contra o comunismo. Mentira! E deslavada!

Aquele movimento de fato foi uma mobilização da sociedade brasileira contra o comunismo estilo Fidel Castro, mas nem de longe aquilo pode ser considerado de “direita”. Explico.

Os militares ficaram 20 anos no poder. O que fizeram? Continue lendo “A ditadura militar de 1964 foi de direita? Conta outra esquerdoso!”

A verdadeira Caridade não é socialista

CaridadeSer solidário é ajudar o outro com o próprio esforço. É botar o seu na reta. É trabalhar você mesmo pelo próximo e tirar dinheiro do próprio bolso quando quiser contribuir.

Ajudar as pessoas com o dinheiro alheio não é solidariedade. É canalhice! Os esquerdistas querem universalizar essa loucura. Muita gente bem intencionada acaba sendo enganada por esses picaretas, pois relaciona socialismo com caridade. Nada mais falso. Por isso é comum ver cristãos e judeus confundindo a bandeira da Tsedacá (caridade) com o socialismo o qual, aponte-se, é anti-judaico e anti-cristão por natureza. Continue lendo “A verdadeira Caridade não é socialista”

Por que o preço está alto?

Charge: preços elevadosOs preços dos produtos e serviços são caros no Brasil pela conjugação de quatro fatores:

1- O excesso de intervenção do estado na economia (burocracia absurda).

2- A estatização da economia e sua oligopolização (presença maciça de empresas estatais e de empresas com mercado protegido de concorrência pelo estado).

3- A inexistência de infraestrutura adequada (ferrovias, hidrovias, portos e energia barata).

4- Impostos elevadíssimos e de alto custo de arrecadação. Ninguém, nem mesmo os tributaristas, sabe quais são os impostos que devem ser pagos sem a ajuda de pelo menos dois contadores… Continue lendo “Por que o preço está alto?”

Brasil. Falta liberdade econômica

2015 - Ranking da Liberdade Econômica
Brasil cai e ocupa 118º posição no ranking mundial da liberdade econômica.

 

O Brasil ficou colocado no 118º Lugar no ranking da liberdade econômica. O último lugar é o de n. 165. Por isso ele está na categoria “mostly unfree” (maioria reprimida). É o que temos denunciado há muito tempo: a falta de livre mercado no Brasil é uma realidade.

Continue lendo “Brasil. Falta liberdade econômica”